A urgência de repensar o transporte público para além da pandemia da Covid-19

CEPESP  |  21 de agosto de 2020
COMPARTILHE

O transporte público emergiu como um elemento crítico nas estratégias de distanciamento social para a Covid-19, sem ações nem recomendações claras do governo federal sobre como conciliar a necessidade de reduzir o risco de contágio com a manutenção de um serviço imprescindível para deslocamentos essenciais, incluindo os de profissionais da saúde, escreveram pesquisadores do LabGEO da Poli-USP, Centro de Estudos da Metrópole (CEM)e FGV Cepesp, em artigo publicado no jornal Nexo.


Para German Freiberg, Pedro Logiodice , Matheus Barboza, Tainá Bittencourt, Bruna Pizzol e Mariana Giannotti, “a situação imposta pela pandemia terá também repercussões graves no médio e longo prazo para o setor em centenas de municípios, com dois grandes desafios concomitantes. O primeiro é tentar reduzir o contágio nos ônibus frequentemente lotados por todo o país. O segundo é lidar com a forte crise financeira que as concessões enfrentarão diante do déficit decorrente da queda drástica de demanda. Esses desafios acentuam os já antigos problemas relativos à prestação de serviço de transporte coletivo no Brasil e que os governos locais não têm conseguido resolver”.

Leia a integra do artigo, publicado no jornal Nexo, aqui.

Deixe seu comentário