RODANDO OS DADOS: A confiança nos militares

CEPESP  |  11 de maio de 2020
COMPARTILHE

Por Guilherme Russo*

Desde a redemocratização, os militares não tinham um protagonismo político como visto no governo Bolsonaro. Além do presidente, vice e um conjunto de ministros terem carreira militar, as Forças Armadas se veem implicadas em questões políticas quando o presidente diz que “os militares estão ao lado do povo”, em uma tentativa de contraste com os poderes Legislativo e Judiciário. O envolvimento de militares na política naturalmente traz à tona a complicada relação no Brasil, e América Latina em geral, entre democracia e as Forças Armadas.

Como escreveu Igor Gielow em sua coluna na Folha de SP, “o uso feito por Bolsonaro dos militares, ainda mais depois de estar cercado deles, explicita o real drama para os fardados: a intrínseca conexão com a política, algo que conseguiram evitar durante boa parte do período pós-redemocratização. O preço de imagem ainda é insondável, mas apenas o fato de serem questionados acerca de seus desígnios evidencia o tamanho do gênio que permitiram sair da garrafa ao se alinhar a Bolsonaro. Os militares terão de responder sobre o discurso golpista do presidente.”

As Forças Armadas recebem alto nível de confiança da população brasileira em comparação a outras instituições de governo. Segundo os dados da pesquisa Barômetro das Américas de 2019, conduzida pelo Projeto de Opinião Pública da América Latina (LAPOP) em parceria com o FGV Cepesp e FGV Clear, o nível de confiança dos brasileiros nas Forças Armadas era de 5,1 em uma escala de 7 pontos onde 1 significa confia “Nada” e 7 confia “Muito”. Em constraste, o nível de confiança aos partidos políticos era apenas de 2,4. A pesquisa também mostra que o nível de confiança nos militares não sofreu grandes mudanças através dos últimos anos, enquanto o nível de confiança nos partidos caiu entre 2012 e 2014, e chegou ao seu valor mais baixo em 2017.

O nível de confiança nas Forças Armadas no Brasil também é alto quando comparamos a outros países da América Latina, como Argentina e Uruguai. Por exemplo, a mesma pesquisa do LAPOP na Argentina em 2019 indica que a confiança nos militares era de 4 pontos, e no Uruguai de 4,4. Em compensação, o nível de confiança nos partidos políticos é maior nos outros países em comparação com o Brasil. O nível era de 3,1 no Uruguai e 2,7 na Argentina.

Entretanto, a confiança nas Forças Armadas não é igual entre todos os brasileiros. Os dados da pesquisa no Brasil indicam que pessoas mais velhas apresentam maior confiança nos militares em comparação com os jovens. A figura abaixo apresenta o nível de confiança de acordo com a idade do respondente, já considerando diferenças demográficas como sexo, região e escolaridade. A linha sólida apresenta o valor esperado na escala de 1 a 7 pontos, e as linhas tracejadas ao seu redor apresentam as estimativas de incerteza para cima e para baixo.

Essa relação entre idade e maior confiança nas Forças Armadas é parecida quando se analisa a diferença no nível de confiança entre as Forças Armadas e os partidos políticos. Isto é, o gráfico abaixo apresenta o nível de confiança nas Forças Armadas em comparação ao nível de confiança nos partidos de acordo com a idade do respondente. Na média, todos os grupos etários confiam mais nas Forças Armadas, mas a diferença no nível de confiança é menor entre os jovens, especialmente quando comparado àqueles com 60 anos, ainda que haja um declínio entre aqueles com mais de 60. Especificamente, é esperado que a diferença de confiança nas Forças Armadas em comparação aos partidos políticos para um respondente de 25 anos seja de 2,7 pontos. Em compensação, para um respondente de 60 anos, essa diferença seria de 3,1 pontos.

É importante notar que a pergunta feita aos participantes na pesquisa não questiona sobre confiança relacionada à participação no governo. O enunciado pergunta apenas “Até que ponto o(a) sr./sra. tem confiança” naquela instituição. O Barômetro das Américas deve realizar uma nova rodada de pesquisa no começo de 2021, quando saberemos se a confiança nos militares se mantém estável depois de estarem associados à administração atual.

A pesquisa do Barômetro das Américas no Brasil realizou 1498 entrevistas pessoais entre os dias 29 de Janeiro e 3 de Março de 2019. Você encontra mais informações sobre a pesquisa no nosso blog aqui e aqui. Para informações técnicas sobre o questionário, amostra, taxas de resposta e controle de qualidade, veja o documento em inglês no site do LAPOP aqui, e para pesquisas anteriores, clique aqui.

Deixe seu comentário
leia também
Veja Mais
Receba nosso feed de notícias